NOTÍCIAS
04/12/2013 – 16h39 | última atualização em 06/12/2013 – 18h43

OAB/RJ e 29ª Subseção promovem audiência pública sobre Cedae

Fonte: redação da Tribuna do Advogado
Mais de 300 pessoas lotaram o teatro do Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos, em Campo Grande, durante a audiência pública organizada pela OAB/RJ e pela subseção local no dia 3 de dezembro para tratar dos problemas com o tratamento de esgoto na região. Moradores levaram contas com cobranças de um serviço que nunca receberam e advogados contabilizaram a quantidade de processos - congelados pela determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou indeferidos ainda em sua fase inicial. Em comum, a revolta com a Companhia Estadual de Águas e Esgoto (Cedae) e com o Poder Judiciário. 
 
Na busca por soluções, a Seccional ingressará com uma ação civil pública e pedirá a produção antecipada de provas para constatar que, na área, não há nem nunca houve realização de nenhuma das etapas do tratamento de esgoto sanitário e sua cobrança é, portanto, indevida. Como a OAB/RJ tem foro especial, o assunto sairá da esfera estadual e será tratado na Justiça Federal. 
 
Segundo o tesoureiro da Seccional, Luciano Bandeira, por se tratar de um assunto de interesses difusos, ligados ao meio ambiente e à defesa do consumidor, a Ordem tem legitimidade para ingressar com este tipo de ação. "Vamos produzir a prova para demonstrar o que é de conhecimento de todos. Nesta região não é feita nenhuma das etapas do esgotamento. Cobrar por este serviço é um roubo", afirmou. 
 
Natanael Luiz Pereira, morador da Rua Senhora, levou à audiência fotos que mostram o esgoto a céu aberto. Os gastos com a limpeza de fossas e caixas de gordura foram a reclamação da moradora Cleusa Butter. Mesmo recebendo sua conta de esgoto desde 1962, ela é obrigada a pagar por fora pelo serviço. "Na última vez gastei R$480 com isso", contou. Há mais de um ano, Cleusa aguarda novidades sobre seu processo contra a Cedae.
 
Para o presidente da OAB/Campo Grande, Mauro Pereira, a situação já chegou ao limite. "Decidimos não aceitar mais isso. Esta audiência é o primeiro passo. Ainda faremos muito barulho", disse. 
 
A advogada Aline Maia acredita na mudança. "A OAB/RJ abarcou esta causa e está trabalhando de forma efetiva para que haja uma mudança no STJ. Temos dois crimes que estão sendo cometidos: o de enriquecimento ilícito e o ambiental. Não teria sido necessário que a Ordem tomasse a frente da questão, caso o Ministério Público, tem legitimidade para propor as ações civis públicas tanto nas promotorias do meio ambiente quanto na defesa do consumidor, tivesse se manifestado", criticou.
 
A deputada estadual Lúcia Helena de Barros, a Lucinha (PSDB), apresentou, ao final da audiência, o contrato da Foz Águas 5, empresa que ganhou a licitação para cuidar do esgoto na Área de Planejamento 5 (AP5), da qual Campo Grande faz parte. De acordo com a parlamentar, mesmo com o documento assinado desde janeiro de 2012, no plano de metas da empresa só havia previsão para o início de obras em novembro de 2013. "Mais de um ano sem nenhuma modificação no esgoto da região e com contas sendo enviadas todo mês. Já pedi a revisão destas metas à Rio Águas [órgão municipal responsável pelo controle das galerias de águas pluviais e pela regulamentação do serviço de esgotamento sanitário], mas ainda não obtive respostas", detalhou a deputada. 
 
Lucinha explica que, quando a Foz Águas 5 venceu a licitação, a empresa assumiu o compromisso de investir R$ 2 bilhões no tratamento de esgoto desta região. "Acontece que nada foi feito até agora, apesar do serviço já ser cobrado. Fica a dúvida se quando as obras começarem elas serão financiadas pelo dinheiro acertado na licitação ou pela arrecadação que a empresa realizou neste tempo", ponderou.
 
A OAB/RJ e a Subseção de Campo Grande notificaram a Cedae, a Prefeitura do Rio de Janeiro, a Foz Águas 5 e o Ministério Público pedindo explicações, mas não obteve resposta. Nenhum representante delas compareceu à audiência pública, que teve a presença do vereador Edson Zanata (PT), do procurador da OAB/RJ Hugo Moretto Lara e do assessor da presidência da Seccional Willian Muniz.
 
PUBLICIDADE
NOTÍCIAS RELACIONADAS

21 de fevereiro de 2014

20 de fevereiro de 2014

19 de fevereiro de 2014

05 de dezembro de 2013

03 de dezembro de 2013

18 de outubro de 2013

OAB/RJ - Av. Marechal Câmara, 150 - Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20020-080 - Fones: (21) 2730-6525 / (21) 2272-6150
atendimento@oabrj.org.br - 2012 - OAB/RJ online - Todos os direitos reservados.
Fechar(x)