Advogados captam clientes em local de vazamento de adutoras da Cedae

 

 

Do Jornal Extra

 

23/08/2007 - O rompimento de duas adutoras da Cedae, esta semana, levou mais do que água e sujeira às casas dos moradores do Parque Suo Francisco, no Quilômetro 32, em Nova Iguaçu. O acidente fez surgir, também, advogados que montaram um escritório em meio à lama e, segundo moradores, acenavam com ganhos de R$ 8 mil a R$ 20 mil em indenizações por danos morais contra a Cedae. O escritório cobra comissão de 30%.

 

A rapidez dos advogados surpreendeu os técnicos da Cedae. Quando a equipe de manutenção chegou ao local para fazer os reparos, já encontrou a banca montada por dois homens que se identificaram como José Neto e Mário Seixas, advogados do escritório Mallet, localizado no Centro do Rio. A cena se repetiu ontem.

 

A atitude dos dois profissionais é uma prática condenada pelo artigo 7 do Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

"Isso é totalmente irregular. Trata-se de captação de clientela, o que é expressamente proibido pelo Estatuto do Advogado. O máximo que um profissional pode fazer para conseguir clientes é publicar anúncios publicitários. Ele não pode se deslocar até o local onde os clientes estão para vender serviços. Eles são advogados, não vendedores de bombom" afirmou o presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/RJ, Paulo Saboya, acrescentando que os dois profissionais podem ser advertidos ou ter seus registros cassados pela Ordem.

 

Desgraça alheia

 

Apesar da possibilidade de indenizações acenada pelos advogados, nem todos os moradores do Parque São Francisco aceitaram a oferta.

 

"Não bastasse perder tudo em casa, ainda aparece gente querendo ganhar dinheiro em cima do meu sofrimento. Fui abordado pelos advogados ontem (terça-feira). Eles disseram que entrariam com uma ação por danos morais em meu nome contra a Cedae. Rejeitei a oferta", disse o servente Jaime Lúcio Alves Costa, de 37 anos.

 

Para o presidente da Cedae, Wagner Victer, os advogados agiram de má-fé: "É um ato de má-fé. Esses advogados não passam de exploradores da desgraça alheia, que Scam esperando a desgraça acontecer. Parecem papa-defuntos na porta de hospitais. Ao lesar a Cedae, estão lesando o estado e os contribuintes".