Britto quer OAB fazendo Diagnóstico do Judiciário em todo país

 

 

Do site do Conselho Federal

 

14/12/2007 - O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, vai propor as Seccionais do país a implementação de uma pesquisa sobre os serviços do Poder Judiciário, nos mesmos moldes do estudo realizado recentemente pela OAB do Paraná e que apontou graves problemas na estrutura judicial, especialmente no âmbito da justiça estadual. "Não conheço um levantamento com a qualidade e o grau de especificidade feito pela Seccional do Paraná. Trata-se realmente de uma proposta inédita, que pode ser implementada por outras seccionais", afirmou Britto antes de embarcar em Curitiba para Buenos Aires onde assiste hoje (14) a posse do presidente da Federação Argentina de Colégios de Advogados (Faca), Carlos Alberto Andreucci.

 

Britto disse, ainda, que sendo a Justiça uma atividade fim, o Diagnóstico do Poder Judiciário está contribuindo para melhorar o próprio Brasil. Para ele, a pesquisa representa um caso real de advogados colaborando com a administração da Justiça, exatamente como prevê a Constituição. Numa análise dos resultados da pesquisa, o presidente da OAB garantiu que o que ocorre no Paraná, com a Justiça Comum, que recebeu as piores avaliações dos advogados, não é diferente do que acontece em outros estados. "Enquanto a Justiça Federal e do Trabalho estão mais avançadas, a Justiça comum vive na idade da pedra lascada".

 

Para o presidente nacional da OAB, a situação contribui para perpetuar as atuais características da Justiça no Brasil - desigual, excludente e com tratamento diferenciado no que se refere a julgados e investigados. Para quebrar a regra de desigualdade, Britto propõe, como uma das medidas mais urgentes, a criação das Defensorias Públicas. Ele também destacou a necessidade de mudar o foco de atuação do Conselho Nacional de Justiça que, na sua opinião, transformou-se no "Muro das Lamentações" do Poder Judiciário.