Conselho Federal: 'Não morreremos de tédio com Jobim na Defesa'

function Multimidia(pagina) { maisinfopopup10 = window.open(pagina,'maisinfopopup10', 'resizable=no,history=no,menubar=no,directories=no,scrollbars=no,width=235,height=230,top=200,left=300'); maisinfopopup10.focus(); } function Detalhe(pagina) { maisinfopopup = window.open(pagina,'maisinfopopup', 'resizable=yes,history=no,menubar=yes,directories=no,scrollbars=yes,width=650,height=350,top=50,left=50'); maisinfopopup.focus(); } Do site do Conselho Federal

25/07/2007 – “Uma coisa tenho certeza: de tédio nós não morreremos com Jobim na Defesa”. A afirmação foi feita hoje (25) pelo presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, ao comentar a indicação do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, para o cargo de ministro da Defesa em substituição a Waldir Pires que ficou em situação insustentável no cargo após o acidente com o avião da TAM no aeroporto de Congonhas. “Com Jobim não há tédio. Jobim é polêmico, gosta do enfrentamento, e já demonstrou inúmeras vezes na sua vida pública que não se acomoda com situações pré-existentes”. Para Britto, o inferno aéreo brasileiro precisa de uma ação urgente para ser resolvido. “A situação do caos que por si só já exige ação, tendo um ministro de ação não haverá ausência ou vazio decisório na questão do espaço aéreo brasileiro”.

Desde a semana passada que o presidente nacional da OAB tem se manifestado publicamente pela substituição do ministro Waldir Pires, bem como de toda a cúpula do setor aéreo dopais. “O que o país precisa é de ação e não ausência de decisão”, afirmou Britto lembrando que a crise aérea é de má-gestão e para resolvê-la é necessário um choque de gestão. “Se o ministro Jobim assumir sem essa compreensão de que a crise é de gestão e que o setor aéreo precisa de medidas urgentes para que se reverta o inferno aéreo, ele vai ser apenas mais um ministro, mais um ministro que chegou e não resolveu a crise.”

Por fim, Cezar Britto defendeu que sejam feitas profundas mudanças pelo novo ministro da Defesa no setor aéreo brasileiro para que o cidadão possa voltar a ter confiança em voar em companhias brasileiras. “Antes do acidente com o avião da TAM a dúvida era em que hora do dia iríamos chegar ao nosso destino. Depois, passamos a ter dúvidas se ao entrar em um avião iríamos chegar ao destino”.