Conselho Fedral discute tráfico de pessoas

 

 

Do Jornal do Commercio

 

30/11/07 - O coordenador sênior para Relatórios e Assuntos Políticos do Escritório de Monitoramento para Combate ao Tráfico de Pessoas, do Departamento de Estado Americano, Mark Taylor, visitará a Ordem dos Advogados do Brasil na próxima terça-feira. Ele estará acompanhado de funcionários da Embaixada dos Estados Unidos e, na reunião que manterá com o presidente do Conselho Federal da OAB, Cezar Britto, será tratado do tema tráfico de pessoas.

 

Mark Taylor, que estará no Brasil na segunda e terça-feira, se reunirá com representantes de diversos órgãos brasileiros que atuam no combate ao tráfico de pessoas, entre esses o Ministério do Trabalho e a Coordenação-Geral de Combate aos Ilícitos Transnacionais do Ministério das Relações Exteriores.

 

O tema tráfico de pessoas já foi tratado entre Britto e o especialista em agosto último, em Washington, quando o presidente da OAB esteve reunido com dirigentes de diferentes áreas do Departamento de Estado do governo norte-americano. Naquela oportunidade, Britto descobriu que o Departamento de Estado dos EUA está bem informado quanto às estatísticas brasileiras relacionadas ao tráfico de mulheres para fins sexuais e do número de homens que são forçados a trabalhar como escravos, principalmente na agricultura.

 

Tais estatísticas constam do relatório Tráfico de Pessoas, elaborado pelo Departamento de Estado do governo dos EUA e que foi entregue ao presidente nacional da OAB. Entre os dados que dele constam está o de que, no Brasil, existem 500 mil crianças e mulheres brasileiras na prostituição. Quando são forçadas a deixar o Brasil para se prostituir, seus destinos mais freqüentes são, segundo o estudo, países da América Latina, Caribe, Europa e os Estados Unidos.