Após a audiência entre os presidentes da OAB/RJ, Felipe Santa Cruz, e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Carlos Alberto Reis de Paula, realizada na última terça-feira, dia 5, medidas para minimizar as questões de instabilidade do Processo Judicial eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) começaram a ser tomadas pela corte. Em visita à Seccional quinta-feira, dia 7, o juiz auxiliar do TST e coordenador do PJe-JT, José Hortêncio Ribeiro Junior, reafirmou a necessidade de mudanças e destacou a criação de um novo ambiente virtual para os advogados realizarem apenas a consulta de processos.
 
 
O Rio vem sendo tratado como um laboratório de experiências. Tudo o que acontece aqui é replicado no resto do país. Nenhum TRT tem o acervo processual do tamanho do nosso, precisamos ser ouvidos
Ana Amelia
diretora de inclusão digital
"A estabilidade do PJe-JT é uma premissa para o TST. Não estou aqui realizando um trabalho político, e sim técnico. As providências imediatas já permitem mais agilidade aos advogados e são todas no sentido de desafogar o sistema", explicou.
 
Para a diretora de Inclusão Digital da OAB/RJ, Ana Amelia Menna Barreto, as reclamações dos advogados fluminenses merecem atenção. "O Rio vem sendo tratado como um laboratório de experiências. Tudo o que acontece aqui é replicado no resto do país. Nenhum TRT tem o acervo processual do tamanho do nosso, precisamos ser ouvidos", reclamou. Ela acredita que as novas versões do PJe-JT podem trazer algumas melhorias, mas considera longo o caminho para uma solução final.
 
"A partir de agora, os colegas poderão consultar processos apenas com um login e uma senha, o que pode realmente diminuir a instabilidade. De qualquer forma, a OAB/RJ é referência, tanto pelo conhecimento específico de seus técnicos quanto pelo investimento feito na capacitação da classe. Precisamos ter mais retorno do TST e do CNJ", constatou.
 
Além de alterações no mecanismo de consulta, novas versões para 1º e 2º graus foram instaladas na noite de quarta-feira, dia 6, não tendo sido registrada nenhuma queda de sistema nas primeiras 24h de funcionamento.
 
O TRT do Rio é o que possui o maior número de processos digitais em todo o país, com cerca de 140 mil em tramitação. Só no mês de outubro, mesmo com o PJe-JT funcionando em tempo integral por apenas dois dias, mas de 16 mil processos ingressaram no tribunal.