Contando com a participação da Corregedoria da OAB/RJ e a Comissão de Justiça do Trabalho (CJT) da Seccional, a Correição Ordinária nas Varas do Trabalho da 1ª Região (TRT-1)  foi encerrada na última quarta-feira, dia 31.

Segundo o presidente da CJT, Sérgio Batalha, os principais problemas identificados foram lentidão exagerada na tramitação dos processos, demora para a marcação de audiências e questões relacionadas aos juízes: “Encontramos vara a qual o juiz fazia uma audiência em seu próprio gabinete, sem assistência, ao mesmo tempo em que era realizada uma outra audiência por seu substituto. Isso é um procedimento irregular, porque não podem trabalhar simultaneamente na mesma vara os juízes titular e substituto. Em outra vara, não havia problema de pessoal e foi identificado que estavam sendo realizadas poucas audiências. Todos esses problemas nós relatamos à Corregedoria do TRT”.

A comunicação constante da advocacia com a Ordem, para que, na ocasião das correições, a Seccional relate os problemas que a classe enfrenta ao tribunal, é considerada essencial tanto por Batalha quanto pelo corregedor-geral da OAB/RJ, André Viz.

Vale lembrar que a Corregedoria da Seccional abriu um canal de comunicação para receber essas reclamações, medidas de boas práticas, elogios e sugestões, o email [email protected]. E a CJT atende continuamente os colegas pelo endereço [email protected].

“Além dos canais oficiais com a Ordem, nós lançamos uma pesquisa que procura abranger toda a advocacia trabalhista fluminense de forma a identificar suas principais demandas do dia a dia profissional”, lembra Batalha.

Em um questionário que pode ser respondido de forma simples e rápida - acesse aqui - , a comissão colhe informações sobre as varas do Trabalho com mais problemas e pode identificar as que são reconhecidas como melhores pelos colegas. Nas perguntas, também são abordadas questões como o acesso aos fóruns, a celeridade e pontualidade para audiências de forma geral, entre outros questionamentos. O resultado, observa Batalha, também será encaminhado à Corregedoria do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-1).

André Viz analisa positivamente o diálogo que a Ordem vem conseguindo estabelecer com a Corregedoria do TRT-1: “Eles receberam muito bem nossas demandas e já encaminharam algumas ações. Foi um trabalho bem sucedido”.