O projeto Gabinete Itinerante, que leva membros da diretoria da Seccional a postos onde a advocacia milita para ouvir, em primeira mão, as queixas da classe, chegou ao 8º  Juizado Especial Cível, na Tijuca, nesta quarta-feira, dia 11.

Durante essa espécie de blitz, a comitiva da Ordem encontrou uma advogada alimentando seu filho de sete meses de maneira improvisada, usando o carrinho de bebê como ponto de apoio. Não há fraldário nas dependências ou mesmo bebedouro. A instalação de uma fonte de água é um pedido feito há anos ao juizado, disseram colegas. 

O presidente da Seccional, Luciano Bandeira, ouviu relatos de que o juiz togado só está disponível à tarde e de lentidão sistemática naquela serventia. Segundo os advogados, a morosidade é agravada pelo fato de os mandados de pagamento só serem expedidos em nome do autor e, não, do advogado. 

Um pleito recorrente foi a construção de uma sala da OABRJ na galeria onde o JEC está instalado para oferecer mais conforto aos colegas militantes.

“Foi produtiva a visita, colhemos as informações, há muitas medidas a serem tomadas. Acredito que conseguiremos resolver esses problemas”, afirmou Luciano.

O presidente esteve acompanhado do assessor especial da Presidência, Carlos André Pedrazzi, o procurador-geral, Alfredo Hilário, o presidente e o tesoureiro da Caarj, Ricardo Menezes e Fred Mendes, o presidente da Comissão de Celeridade Processual da OABRJ, Paulo Grossi, e o da Comissão de Juizados Especiais, Pedro Menezes.