A Comissão de Direito à Educação da OABRJ, com apoio da Caarj, do Instituto dos Advogados Brasileiros, da Associação Brasileira de Imprensa e de diversas entidades educacionais (Instituto Universitário do Rio de Janeiro, Instituto Carneiro, Instituto Memória, Instituto de Saúde Ocupacional, CIDEP- UniFG, ECII, UFRJ, Unirio, Centro Universitário São José, Centro Universitário Gama e Souza e Unigranrio) realizou na Seccional o "II Seminário de Direito à Educação", nesta terça-feira, dia 5. 

As discussões giraram em torno dos vários aspectos da educação inclusiva, as perspectivas jurídicas da educação no Brasil e o cenário preocupante que se descortinou com o primeiro ano de mandato do presidente da República.

O evento foi aberto pelo secretário-adjunto da OABRJ, Fábio Nogueira, pelo presidente da Comissão de Direito à Educação da OABRJ, Cláudio Carneiro, pelo assessor-executivo da Presidência da OABRJ, Carlos André Pedrazzi, pelo presidente da Caarj, Ricardo Menezes, pela presidente do IAB, Rita Cortez, e pelo presidente da Caixa de Assistência dos Advogados de Mato Grosso do Sul, José Armando. 

“Esta é uma comissão que dialoga não somente com a classe, mas com a sociedade civil. É importante que a Ordem seja a principal voz da sociedade civil organizada nestes tempos em que os direitos sociais estão sendo amesquinhados dia após dia”, afirmou Fabio, que representou a diretoria da casa.

Pedrazzi comemorou o fato de a Ordem estar repleta de professores entre os inscritos. 

“Somos muito questionados por algumas vozes isoladas sobre por que a OAB se envolve com questões que não são corporativas, relacionadas a quem está excluído socialmente. Esta casa tem que dar voz e vez aos professores, estar atenta à educação libertadora, às questões da educação inclusiva”.