Chegou a vez de o presidente da OABRJ, Luciano Bandeira, se imunizar contra a Covid-19 e endossar a campanha da Seccional “Vacina é direito”. A iniciativa da OABRJ - por meio do Observatório Covid-19 - e da Caarj incentiva os colegas a se vacinarem contra a doença, assim que o Plano Nacional de Imunizações permitir. 

Nesta quinta-feira, dia 17, Luciano, de 51 anos, recebeu a primeira dose do imunizante da Pfizer num ambiente carregado de simbolismo pessoal: um plenário do Antigo Palácio da Justiça, na Rua Dom Manuel, no Centro, que hoje abriga o Centro Cultural do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. 

“Atuei muito nas varas que funcionavam ali quando comecei a advogar, 27 anos atrás. Foi bonito ter vivido mais este momento importante da minha trajetória ali”, diz. 

“Estou muito feliz. Espero que esse dia de felicidade chegue para todos o quanto antes. É importante que os advogados e advogadas se vacinem porque assim estarão também protegendo a quem amam e aqueles com quem convivem profissionalmente: clientes, funcionários da Justiça, magistrados, promotores”. 

O advogado se diz esperançoso em relação ao panorama que se descortinará conforme a vacinação da população for ganhando escala. 

“Com o aprofundamento da vacinação, a atividade econômica deverá tomar um impulso importante. E, no Rio, o ingresso do estado no novo Regime de Recuperação Fiscal permite vislumbrar uma retomada econômica”, acredita.

Graduado pela PUC-Rio em 1994, com especialização em Direito Empresarial (MBA) pelo IBMEC/RJ e atuação reconhecida em ações cíveis e empresariais, Luciano foi tesoureiro da OABRJ entre 2013 e 2018 e, a partir de 2016, liderou a Comissão de Prerrogativas em paralelo. Antes de chegar à Diretoria da Seccional, o advogado presidiu a então recém-inaugurada OAB/Barra da Tijuca, tendo sido reeleito na subseção para exercer mandato de 2010 a 2012. 

Imerso nas ações de contenção desta crise de proporções históricas, que atingiu em cheio a categoria, trazendo luto e para alguns a perda das condições de trabalho, Luciano acredita que a advocacia mais uma vez será fundamental na reconstrução da sociedade pós-pandemia. 

“A advocacia se fará presente solucionando litígios, redefinindo pactos e contratos, buscando os direitos de seus clientes, contribuindo para a justiça social”.