Mensalão: Wadih pede pressa no julgamento

 

 

da Folha Online

 

29/08/2007 - O presidente da OAB/RJ (Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Rio), Wadih Damous, pediu hoje pressa no julgamento das denúncias contra os 40 acusados de envolvimento com o esquema do mensalão. Ele teme que uma eventual demora possa livrar os acusados pela prescrição dos crimes.

 

"Desejamos um basta à impunidade, mas desejamos, também, que o Judiciário julgue com a máxima isenção, sem se deixar contaminar pelo clamor punitivo", disse Damous. "É do interesse da sociedade que os culpados sejam punidos e que eventuais inocentes sejam absolvidos, mas que isso seja feito de forma célere."

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) concluiu o julgamento da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra os 40 envolvidos com o escândalo do mensalão - esquema que financiava parlamentares do PT e da base aliada em troca de apoio político.

 

A Corte acatou a denúncia contra todos os acusados pelo procurador-geral Antonio Fernando de Souza. Entre eles estão os ex-ministros José Dirceu, Luiz Gushiken (Comunicação do Governo) e Anderson Adauto (Transportes), o empresário Marcos Valério, os deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP), além do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), autor das denúncias do mensalão.

 

Os réus responderão por diversos crimes, como formação de quadrilha, peculato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, corrupção passiva e corrupção ativa.