O Tribunal Superior do Trabalho (TST) divulgou que a nova versão do processo judicial eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), que deve entrar em operação nos próximos meses, dará início à adequação do sistema aos padrões internacionais de acessibilidade (Web Content Accessibility Guidelines - WCAG).
 
Com as mudanças, deficientes visuais poderão peticionar, cadastrar advogados e acompanhar movimentações de processos, entre outras funcionalidades. Na semana passada, o desembargador Ricardo Tadeu Marques da Fonseca, do Tribunal Regional do Trabalho da nona Região (TRT-9), único desembargador do Brasil deficiente visual, esteve com o presidente do STF reclamando do sistema.
 
A mudança foi discutida na última reunião da Comissão Permanente de Acessibilidade do Pje-JT, realizada dia 5, no TST. De acordo com dados levantados pela coordenação, quase dois mil advogados e centenas de servidores públicos com deficiência se beneficiarão com as mudanças.
 
Todo o trabalho de mudança no código de programação foi desenvolvido por Rafael Pereira de Carvalho, servidor do TST com deficiência visual. "Eu me sinto realizado. Sempre tive vontade de fazer parte desse trabalho e poder ajudar outros deficientes como eu a utilizar o PJe", afirma o desenvolvedor da solução que amplia a acessibilidade do sistema.
 
"Ainda sinto falta de algumas funcionalidades, mas o PJe é muito sensível, e estamos fazendo as alterações aos poucos. O objetivo é trazer novidades em todas as próximas versões", completou.