Poder peticionar por meios físicos, existir um cronograma de implantação do Procesos Judicial eletrônico (PJe), estarem acessíveis nas instâncias do Judiciário equipamentos de digitalização. Esses são três dos vinte pontos levantados no III Encontro do Fórum Permanente para o PJe do Conselho Federal da OAB e que estão elencadas na Carta de Goiânia.
 
O objetivo do encontro, realizado na capital de Goiás na última semana, foi debater os problemas e soluções em torno dos sistemas de processo eletrônico, em especial, o PJe do Conselho Nacional de Justiça, do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, e de outros Tribunais nacionais.