"Foi marcada a primeira audiência em julho. O PJe [Processo Judicial Eletrônico] estava fora do ar. Marcaram para setembro (...), e estava fora do ar novamente". O drama de Juliana Alves, desempregada que tenta receber na Justiça o dinheiro da rescisão de um contrato de trabalho, é um exemplo da dor de cabeça que os sistemas eletrônicos dos tribunais têm causado para as partes e para os advogados. O Jornal das Dez, da Globo News, exibiu reportagem nesta quarta-feira, dia 25, sobre a diferença entre Rio e São Paulo na transição para a Justiça Digital.
 
 
Abaixo-assinado
"Nossa preocupação é com uma transição humana, que respeite o tempo de treinamento da advocacia, que tenha um sistema qualificado e que leve em consideração a segurança desse processo", explica o presidente da Seccional, Felipe Santa Cruz.
 
A matéria, que comparou os problemas do Rio com a transição satisfatória em São Paulo, destacou, também, o abaixo-assinado para que tribunais aceitem petições em papel enquanto seus sistemas não se mostram confiáveis. Somando todos os tribunais do país, há 46 sistemas diferentes.