A OAB/Piraí-Pinheiral instalou, nesta quarta-feira, dia 24, um braço local da Comissão da Verdade da Escravidão Negra no Brasil (Cevenb). A subseção se soma agora às diversas subseções e seccionais do sistema OAB que têm núcleos do grupo que se dedica à pauta da reparação histórica à população negra. A comissão também está no Conselho Federal da Ordem.

A cerimônia de posse do presidente da comissão local, Flávio Macharet Barbosa, e da vice, Cristiane e Silva Santos, ocorreu por videoconferência em respeito aos protocolos de  distanciamento social trazidos pela pandemia da Covid-19. 

O presidente da Cevenb da OABRJ e do Conselho Federal, Humberto Adami; o secretário-geral da OABRJ, Álvaro Quintão; a diretora de Mulheres da Seccional, Marisa Gaudio; o presidente da OAB/Piraí-Pinheiral, Gustavo de Abreu; a presidente da OAB/Vassouras, Rosania Figueira; o diretor do Centro de Documentação e Pesquisa da OABRJ, Aderson Bussinger, e diversos integrantes de unidades da Cevenb no país participaram da reunião, como a professora Margot Ramalhete.  

“É a  primeira posse remota de uma série que a Cevenb da OABRJ está apoiando em conjunto com a Cevenb do Conselho Federal. O tema da reparação da escravidão negra é a pauta mais importante do Brasil e tende a avançar oportunizando que jovens advogados, militantes e ativistas possam atuar em todas as subseções do estado”, afirma Adami. 

Barbosa conta que Piraí tem um rico acervo da época da escravidão e guarda documentos oficiais e processos judiciais de todo o Sul Fluminense, uma região cafeeira. A criação do grupo local da Cevenb terá um papel neste resgate histórico. 

Ele diz que buscou entre os inscritos na subseção advogados e advogadas negras para compor a comissão, mas encontrou poucos nomes.

“Este quadro me fez ver a necessidade ainda maior de criarmos esta comissão. Minha primeira preocupação foi buscar uma aproximação com lideranças e  ativistas da causa negra na região”.

Para a integrante da Cevenb da Seccional fluminense Margot Ramalhete este é um momento de revolução, que pede o fortalecimento das comissões municipais da Cevenb. 

“Se quisermos fazer um ‘novo normal’, precisamos olhar para trás e, finalmente, começar a história do Brasil. Dar posse à Cevenb de Piraí, que se localiza no Sul fluminense, região que recebeu um alto número de escravizados é um momento histórico para a OAB”, disse.