A polifonia de sotaques, as bandeiras de diferentes estados do país e a empolgação dos grupos que se juntavam para tirar fotos deram o tom da abertura do 18º Encontro Nacional da Jovem Advocacia, o Enja, que ocupará o Armazém da Utopia, na Gamboa, nesta quinta-feira, dia 7, e na sexta-feira, dia 8. O evento é fechado e os ingressos estão esgotados desde o início desta semana. 

Sediado pela primeira vez no Rio, o evento faz parte do calendário oficial do Conselho Federal e busca mobilizar os recém-chegados à profissão (com até cinco anos de carteira da Ordem), que hoje representam cerca de metade do um milhão e cem mil advogados ativos do país. 

A saturação do mercado, o papel institucional da Ordem e a importância do sentimento de pertencimento à classe, a crise econômica, os ataques recentes à categoria e a disseminação da inteligência artificial nortearão os mais de 40 paineis desta edição, que tem o slogan: “conectar para transformar”.  

As mesas, das quais participam mais de cem palestrantes, são divididas em três eixos temáticos: democracia, institucionalidade e inovação.

Presidente da OABRJ, Luciano Bandeira discursou na abertura do Enja 2019 / Foto: Bruno Marins

Diante dos principais  nomes do sistema OAB, o presidente da Seccional, Luciano Bandeira, abriu os trabalhos junto com a presidente da OAB Jovem do Rio de Janeiro, Amanda Magalhães, responsável pela organização. 

“Aqui, hoje, começamos a discutir nosso futuro, a valorizar ainda mais os jovens advogados, porque vocês darão continuidade a todo o trabalho. Mas precisamos criar o sentimento de unidade, construir o elã que moldará um mercado de trabalho mais justo e o respeito às nossas prerrogativas”, discursou Luciano.

“Com a Lei de Abuso de Autoridade, que criminaliza a violação das prerrogativas, teremos, a partir do ano que vem, ainda mais dignidade no exercício profissional. Somos os defensores da cidadania. A democracia em cada país se mede pelo respeito que a sociedade tem pelos advogados”.

Magalhães encorajou os novatos a não desistirem da profissão, apesar dos percalços.  

Vice-presidente nacional da Ordem proferiu palestra magna

 

O presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz, foi representado pelo vice, Luiz Viana, que deu a palestra magna. O tema foi democracia e relações institucionais.

Viana demonstrou solidariedade à presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Daniela Borges, que, na véspera, foi repreendida pelo ministro Marco Aurélio Mello durante uma sustentação no STF por ter tratado os membros da corte por “vocês”. Emocionada, a advogada recebeu longos aplausos.

“Daniela Borges, que estava numa designação do Conselho Federal para defender a inconstitucionalidade da tributação do auxílio-maternidade, foi interrompida na tribuna num ato de deselegância inominável. Ela faz questão de dizer que não foi apenas um ato de machismo, pois, o mesmo ministro havia cometido a mesma deseducação com um advogado homem”, disse. 

Abertura foi marcada por solidariedade à Daniela Borges / Foto: Bruno Marins

“Digo, em nome do Conselho Federal, que as prerrogativas dos advogados são inegociáveis e que o STF pode muito, mas não pode tudo. E não pode interromper uma advogada no exercício de sua profissão”. 

Como preâmbulo, Viana lembrou Rui Barbosa, patrono da advocacia, que, atuou no STF em julgamentos de importância histórica em prol de presos pelo regime de arbítrio de Floriano Peixoto.

Posse da Comissão Nacional da Advocacia Jovem

O dirigente deu posse aos membros da Comissão Nacional da Advocacia Jovem, pinçados dos grupos correlatos de cada Seccional. O ato foi conduzido pela presidente daquela comissão, Daniela Teixeira, que comemorou o fato de o tempo mínimo exigido de obtenção da carteira da Ordem para a participação política no sistema OAB ter sido encurtado. Desde o ano passado, basta ter três anos de carteira.

Abraçados lado a lado, os jovens foram instados por Teixeira a dar dois passos juntos. O ato fez analogia à necessidade de união da classe e ao pensamento do escritor Eduardo Galeano sobre a utopia: “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos (...) Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”

Estiveram na cerimônia o tesoureiro da Seccional, Marcello Oliveira, o secretário-geral, Álvaro Quintão, o secretário-adjunto Fábio Nogueira, o presidente da Caarj, Ricardo Menezes, a diretora de Mulheres da OABRJ, Marisa Gaudio, o tesoureiro do Conselho Federal, José Noronha, e a presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez. 

Também ocuparam o palco representantes de várias Seccionais: o presidente da OAB/Rio Grande do Sul, Ricardo Breier, o presidente da OAB/Maranhão, Thiago Morais, o presidente da OAB/Roraima, Ednaldo Vidal, o presidente da OAB/Sergipe, Inácio Krauss, o tesoureiro da OAB/Bahia, Hermes Hilarião, a presidente da Comissão da Jovem Advocacia da OAB/Mato Grosso do Sul, Janine Delgado, o presidente da Comissão da Jovem Advocacia da OAB/Paraíba, Rafael Targino, a presidente da Comissão da Jovem Advocacia da OAB/Amazônia, Sarah Serruya, o presidente da OAB Jovem do Rio Grande do Sul, Antonio Zanetti, o presidente da Caixa de Assistência do Ceará, Sávio Aguiar, e o presidente da OAB/Niterói, Claudio Vianna. 

Veja a programação do Enja no site do evento.