Formulário de busca

03/08/2018 - 21:00

O desafio da informatização

O desafio da informatização


Wadih Damous

Não por acaso dedicamos a capa desta TRIBUNA DO ADVOGADO à campanha Fique digital, agora entrando em sua segunda fase.

A informatização do Judiciário é uma tendência inexorável e, desde que desenvolvido de forma responsável, é também um processo desejável, que trará mais celeridade, segurança e economia para todos.

Mas, ao mesmo tempo em que vai representar uma verdadeira revolução na Justiça, a informatização traz também novos desafios para os advogados. Muitos colegas ainda não estão preparados para a era digital que se abre.

Diante dessa realidade, a OAB/RJ, por meio do DAS e da ESA, passou a oferecer cursos gratuitos sobre peticionamento eletrônico em todas as regiões do estado. As aulas já começaram, com uma procura e uma aceitação acima das expectativas.

Agora, num segundo momento do programa Fique digital, vamos abrir a possibilidade de advogados e estagiários inscritos na OAB/RJ adquirirem computadores e equipamentos de informática a preços abaixo dos de mercado e com condições de financiamento especialmente favoráveis.

Outra medida relacionada ao aproveitamento das vantagens da informatização, também divulgada nesta TRIBUNA, é o convênio que permitirá a remessa de comunicações oficiais por meio eletrônico, o que evitará deslocamentos do advogado.

Assim, com iniciativas como estas, estamos cumprindo o compromisso de apoiar os advogados em sua adaptação para a informatização da Justiça, assumido na campanha eleitoral.

Também nesta edição, voltamos a abordar questões referentes ao funcionamento do Judiciário. Assim, divulgamos um o ranking com os piores juizados especiais – uma iniciativa da campanha Dignidade nos juizados - e discutimos, em outra matéria, a proposta de redução das férias dos juízes de 60 para 30 dias.

Por fim, registramos, com orgulho e satisfação, que a OAB/RJ recebeu o Colégio de Presidentes de Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil, nos dias 23 e 24 de setembro. Os debates – travados em alto nível - originaram a Carta do Rio, documento em que a OAB reafirma seu compromisso com a democracia e a defesa do Estado de Direito, coerente com suas melhores tradições.