Formulário de busca

06/02/2018 - 14:14

Defesa das prerrogativas: área que mais melhorou, aponta a advocacia do Rio

A pesquisa do Instituto Informa perguntou também aos advogados quais áreas melhoraram com a gestão de Felipe Santa Cruz à frente da Ordem. A defesa das prerrogativas, com 29,7%, foi citada como o tópico de maior aperfeiçoamento – apontada por 31% dos homens e 28,4% das mulheres; por faixa etária, o item foi indicado por 42,7% dos advogados com mais de 60 anos, 26,5% dos que estão na faixa de 41 a 59, e 26,5% dos que têm menos de 40 anos. Em segundo lugar ficaram as salas de peticionamento eletrônico: 13,7% dos entrevistados citaram esse item. Em seguida, vieram o Recorte digital (11,3%), os cursos de atualização (7%), o escritório compartilhado (6,7%), o plano odontológico gratuito (6,3%), o valor da anuidade (5,3%), benefícios da Caarj (5%) e transporte gratuito (4%). Não responderam à pergunta 11% dos entrevistados.
 
As prerrogativas são o aspecto que mais contribui para a atuação profissional para 31,3% dos entrevistados.
Se levarmos em conta a localização, há alterações na ordem dos itens citados. Os advogados da capital se aproximam da média geral, apontando entre os três primeiros itens que mais melhoraram a defesa das prerrogativas (31%), as salas de peticionamento (16%) e o Recorte digital (11,7%); na região metropolitana, a pesquisa indicou que a defesa das prerrogativas (27,7%), as salas de peticionamento (12,8%) e o valor da anuidade (10,6%) foram considerados os pontos mais positivos; já no interior, em primeiro ficou a defesa das prerrogativas (25%), seguidas do Recorte digital e dos cursos de atualização (ambos com 15%). 

O tempo de Ordem também revela alguns aspectos interessantes. Se as prerrogativas estão em primeiro lugar para todos os grupos como a área que mais melhorou, há mudanças nas demais posições: o segundo item mais citado por advogados com menos de cinco anos de profissão é o escritório compartilhado, seguido do transporte gratuito e dos benefícios da Caarj e do plano odontológico; já as faixas de cinco a dez e mais de dez anos de profissão acompanham a média, citando logo após as prerrogativas as salas de peticionamento e o Recorte digital. 

No tocante a outras bandeiras de ação da Ordem, também há avaliações positivas com maioria equilibrada em diversos grupos: 65,3% consideram que a Ordem atuou firmemente na defesa dos interesses dos advogados (regular: 24%, reprovação: 10,7%). Dividindo por sexo, 68,4% das mulheres e 62,1% dos homens pensam dessa forma; por tempo de OAB/RJ, são 62,5% entre os advogados com menos de cinco anos de profissão, 68,1% entre os que têm de cinco a dez anos e 65% entre os que têm mais de dez anos de carreira; e por localização, novamente a região metropolitana fica na frente, com 72,3% de aprovação, seguida do interior com 65% e da capital, com 63,8%.

Sobre a estrutura de apoio ao exercício profissional da advocacia na capital e nas 63 subseções, 67,7% dos colegas consideram que esta atende as necessidades cotidianas (regular: 23,7%, reprovação: 8,7%). Novamente, a maior aprovação está entre as mulheres: 70,3%, sendo que entre os homens o número é de 64,8%. E também neste quesito fica claro que a aprovação é maior entre aqueles que mais necessitam de apoio: a estrutura é aprovada por 70,8% dos advogados com menos de cinco anos de Ordem, embora os índices entre os que têm entre cinco e dez anos (66,7%) e mais de dez (67,5%) também sejam altos. Pela localização, 74,5% dos colegas da região metropolitana aprovam o suporte dado pela Seccional; na capital, 67,6%, e no interior, 60%.

Áreas que mais melhoraram na atual gestão