Formulário de busca

16/05/2018 - 15:00

OAB/Rio Bonito sedia evento sobre patrimônio histórico do Leste Fluminense

Durante os dias 12 e 13 de abril, o auditório da 35ª Subseção da OAB foi sede do 1º Encontro Sobre Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural do Leste Fluminense e Região, promovido pelo coletivo Rio Bonito Antigo, com o apoio do Instituto Histórico e Geográfico Itaborahyense e da Ordem local. O objetivo do encontro foi dar início à discussão de forma técnica e profissional sobre a importância da preservação dos bens culturais nos dias de hoje. Cerca de 150 pessoas participaram das palestras e debates propostos pelos organizadores.

Responsável pela abertura do evento, o presidente da OAB/Rio Bonito, César Sá, destacou o trabalho desenvolvido pelo órgão na área de preservação do patrimônio histórico da região. “Estamos cumprindo o papel de uma instituição que sempre se apresentou na vanguarda da luta pelos direitos fundamentais, como, por exemplo, o acesso a cultura e a educação”, disse.

Em seguida, o historiador Dawson Nascimento, organizador do evento, fez uma breve apresentação sobre a Fazenda Rio Vermelho, que abriga um dos maiores acervos históricos do município de Rio Bonito. A intenção é que seja criado no local o primeiro museu de açúcar e cachaça da região.

No evento, também foi anunciada a intenção de se revitalizar a estação ferroviária. “É um projeto que ainda está em fase de estudo, mas nossa intenção é reconstruir a estação ferroviária com objetivo de implantar uma locomotiva turística para fazer o trajeto Rio Bonito – Tanguá. O local abrigaria ainda um centro cultural, um museu e uma biblioteca. Estamos ainda em fase de elaboração do projeto, mas muita gente boa já se propôs a nos ajudar e isso nos motiva bastante”, revelou Sávio Valviesse, do recém-criado grupo Trilhos Urbanos. 

Na parte da tarde, o diretor do Departamento de Pesquisa e Documentação do Instituto Estadual de Patrimônio Cultural (Inepac), Sérgio Linhares, abriu o ciclo de palestras falando sobre o patrimônio histórico-cultural do estado. “Não podemos deixar esse legado se perder com o tempo. Nosso desafio é criar essa relação de pertencimento na população local. Valorizar o patrimônio é valorizar a história”, explicou.

O evento seguiu até a tarde do dia 13, com diversas palestras sobre o preservação do patrimônio histórico de algumas cidades da região como São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá, Maricá, Nova Friburgo e Cantagalo.