Formulário de busca

12/04/2018 - 13:26

Mensagens do Mês

OAB/RJ exige apuração rigorosa e imediata dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista
 
Eliane Lacerda – Parabéns à OAB pelo rápido posicionamento. Essa execução é um atentado à nossa democracia e a investigação deve ser acompanhada com muito rigor.

Luciana Marinho – A morte da vereadora deve ser investigada sim, pois ao que parece foi uma emboscada. Contudo, as mortes de mais de 200 policiais desde o ano passado e de outros cidadãos inocentes também não devem ficar impunes! O Exército parece estar limitado e, se não fosse por isso, talvez muitos policiais e outros cidadãos, como a própria Marielle, não tivessem tido este triste destino.
Davi Carreiro – Assassinatos como o da juíza Patrícia Acioli e o da vereadora Marielle são muito mais do que um caso de segurança pública. É a fragilidade do nosso Estado democrático de Direito escancarada. Que vocês possam refletir.
Susana Diuana – Queria ver essa apuração rigorosa e imediata para todos os seres humanos. Para não precisarmos mais, ao andar pelas ruas, ter que ficar buscando no grupo onde tem tiroteio (...). Quem anda pelo Rio sabe bem do que estou falando. Qual carioca ainda não foi assaltado ou perdeu um familiar vítima de assassinato? O direito é o mesmo de todos! E o de ir e vir já foi cerceado aos cariocas há muito tempo. Faça isso sim, OAB, mas para todas as vítimas e não por causa política.
Tainá Guelpeli – É muito triste ver tantos colegas de profissão questionarem a nota da OAB. Nós juramos defender o Estado democrático de Direito. A execução da vereadora Marielle Franco viola isso. Parabéns pela posição da Ordem.

Presidente do TJ afirma à OAB/RJ a indispensabilidade do advogado em qualquer projeto de mediação

Alexandre Barbosa da Fonsêca – Em primeiro lugar, a Constituição dispõe que o advogado é indispensável à administração da Justiça. Assim, o advogado é insubstituível e sem ele o Poder Judiciário não funciona. Caso haja afastamento (...) com substituição pelo robô, em situação que o advogado seja indispensável, será totalmente inconstitucional (...). Há outro ponto importante que parece não estar claro para a maioria das pessoas, inclusive jornalistas: o robô não é advogado! Ele é auxiliar de advogado. De outra banda, é razoável que um robô possa servir para consultas, orientando pessoas que não são da área jurídica. Isso porque o Google já é muito usado pelas pessoas para consultas médicas e jurídicas, mas não é uma boa ideia o consulente agir por conta própria, excluindo a consulta de médico ou de advogado (...).

Eliz Assumpção – Cada vez mais difícil exercer a profissão nesse estado.

Barroso manda CNJ julgar recurso da OAB/RJ sobre cobrança por uso da sala de advogados no TJ/RJ
 
Leonardo Hack – A ganância arrecadatória do Poder Judiciário fluminense não tem limites. Preencher as Grerjs chega a dar ânsia de vômito.