Formulário de busca

28/11/2012 - 15:02

Colegas têm dificuldade para se adaptar ao JEC virtual

Funcionando como serventia virtual desde janeiro deste ano, o III JEC de Nova Iguaçu ainda enfrenta resistência por parte de alguns advogados. A falta de informação lidera a lista de reclamações dos colegas, que se confundem ao utilizar o sistema de informática adotado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ). É que no processo eletrônico, as audiências e os prazos processuais são avisados somente pelo portal do TJ, através da página onde advogados podem cadastrar petições iniciais e acompanhar o andamento de suas ações. A questão é que, por falta de costume de verificar a página, muitos colegas estão perdendo seus prazos.
Para tentar melhorar a situação, alguns magistrados têm tomado providências. Em Nova Iguaçu, a recente aquisição de scanners para que os advogados possam anexar documentos à peça é um exemplo disso, embora as máquinas ainda não estivessem instaladas no momento de conclusão desta Tribuninha. “Solicitamos a cessão dos equipamentos à direção do Fórum Regional”, contou a juíza responsável pelo III JEC, Simone Marreiros.
De acordo com a magistrada, os problemas estão sendo resolvidos aos poucos. “Estamos em contato direto com a OAB/Nova Iguaçu, que nos traz as reclamações dos advogados. Tentamos resolvê-las o quanto antes. Estamos trabalhando juntos para o bom funcionamento da serventia. Todos sairão ganhando, principalmente a população, que terá seus processos julgados mais rapidamente” disse Simone.
Após sete meses de funcionamento, o III JEC tem 6.500 processos em tramitação.
 
Apoio da OAB
é fundamental
 
Apesar do III JEC ainda precisar de ajustes, quem milita na serventia não contesta a celeridade da tramitação processual. “A celeridade do processo eletrônico é inegável. Vemos que os advogados, apesar de terem dúvidas, ficam satisfeitos com essa rapidez”, afirmou o presidente da OAB/Nova Iguaçu, Jurandir Ceulin.
Segundo ele, a subseção está apoiando os colegas nesta fase de adaptação. “Manipular o processo no sistema virtual ainda não é algo automático para alguns colegas. Até ultrapassarmos essa etapa, os advogados devem saber que a Seccional e as subseções serão pontos de apoio para o trabalho deles”, explicou.
O apoio mencionado por Jurandir é resultado de diversas ações promovidas pela OAB/RJ para familiarizar os colegas com o processo eletrônico, como cursos, campanhas itinerantes de certificação digital e distribuição gratuita dos leitores de cartão. Além disso, a Ordem também está equipando as salas dos advogados em todo o estado e preparando os funcionários que farão o atendimento nestes locais.