Para marcar o Mês da Advocacia, o Portal da OAB/RJ trará, durante esta semana, uma série de reportagens detalhando as iniciativas da Ordem voltadas à capacitação da classe e à carreira dos colegas. Iniciativa única no país, a Escola de Inclusão Digital da OAB/RJ é o tema da segunda matéria.

Uma das principais ações da Seccional na capacitação da advocacia, a escola foi criada em fevereiro de 2015 com o intuito de treinar os colegas para o processo eletrônico. Inicialmente, as aulas aconteciam na sede da Ordem, mas com a inauguração da Casa das Prerrogativas Celso Fontenelle, a escola migrou para o 11º andar do prédio da Rua da Assembleia, nº 10. 

Nos próximos dois anos, a advocacia enfrentará mais um grande desafio, quando o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ) adotará o Processo Judicial Eletrônico (PJe). Segundo a diretora de Inclusão Digital e Inovação da OAB/RJ, Maria Luciana Souza, já no segundo semestre a Seccional intensificará as ações nesse sentido. "É um novo formato, outra ferramenta, mas dentro da sistemática PJe. O advogado que milita na Justiça comum vai deixar de peticionar nos padrões em que ele está acostumado. E a Ordem já tem essa cultura de abraçar a advocacia, entamos agindo junto ao TJ e nos preparando pra levar qualificação para todo o Estado", disse.

Para Maria Luciana, o grande diferencial da Escola de Inclusão Digital é o laboratório, onde o advogado aprende a utilizar as plataformas de peticionamento de forma prática. "Não é apenas um treinamento expositivo, em que o advogado sai da aula imaginando o que vai acontecer. Inclusive, temos acordo de cooperação com alguns tribunais, que liberam ambientes de testes para nós. Dessa forma, a gente consegue levar os advogados para dentro dos ambientes. Temos cursos para todas as plataformas, em todos os níveis de usuário. Temos uma preocupação enorme com os colegas da terceira idade", disse, destacando as turmas exclusivas para colegas idosos. 

Atualmente, a escola oferece vários cursos, entre eles a série Navegando, que inclui edições para o Processo Judicial eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), para o sistema do Tribunal de Justiça (TJ) e para o sistema da Justiça Federal, o e-Proc; as oficinas de Informática Básica, que têm uma edição especial voltada para colegas da terceira idade, e o curso de PJe-Calc para TRT.