O #OABRJDebate desta sexta-feira, dia 11, recebe o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Seccional, Álvaro Quintão, para falar sobre o caso do músico Luiz Carlos Justino, preso por engano no Centro de Niterói no dia 2 de setembro, quando voltava de uma apresentação. Justino foi solto no último domingo, dia 6, após o juiz André Luiz Nicolitt acatar pedido da Ordem e revogar a prisão preventiva.

Parado em uma blitz sem carteira de identidade, ele foi levado para a 76ª Delegacia de Polícia, onde foi informado que havia um mandado de prisão expedido contra ele por um assalto à mão armada cometido em 2017. O músico teria sido reconhecido por fotos, embora sua defesa afirme que há "dezenas de depoimentos" testemunhando que ele estava em outro lugar na hora do crime e que teria sido vítima de racismo. 

Na entrevista ao apresentador do programa, José Júnior, Quintão, que também é secretário-geral da OABRJ, contou detalhes sobre a ação da comissão, que agiu rápido para que o músico não chegasse a ser transferido para o Complexo Penitenciário de Gericinó.

"Ele está em prisão domiciliar e, no momento, estamos reunindo as provas necessárias para conseguir, de fato, a liberdade de Justino", afirmou.

Acreditando que o grupo obterá sucesso na defesa do violoncelista, Quintão observa: "O que nos preocupa muito é saber que, infelizmente este não é um caso isolado. A gente tem visto com muita frequência situações parecidas com essa".

O programa, com cerca de 20 minutos de duração, está disponível no canal da OABRJ no YouTube.